Células da juventude é descoberta por cientistas

O hipotálamo é uma região cerebral conhecida pela sua regulagem importante para o organismo, como o crescimento, desenvolvimento, reprodução e.

O hipotálamo é uma região cerebral conhecida pela sua regulagem importante para o organismo, como o crescimento, desenvolvimento, reprodução e metabolismo, descoberta por um grupo de cientistas.

O principal autor do estudo, o americano Dongsheng Cai, da Escola de Medicina Albert Einstein em Nova York, contou que a descoberta feita através de testes em camundongos poderá ser usado para o desenvolvimento de estratégias novas no tratamento de doenças que tenham relação com o envelhecimento do organismo.

Em 2013 um artigo publicado na revista Nature, foi onde a mesma equipe relevou o recente estudo e a descoberta de que o hipotálamo também é responsável na regulagem do envelhecimento.“Nossa pesquisa mostra que o número das células-tronco neurais do hipotálamo é reduzido ao longo da vida do animal e esse declínio acelera o envelhecimento. Mas também descobrimos que os efeitos dessa perda não são irreversíveis. Com a reposição dessas células-tronco ou das moléculas que elas produzem, é possível desacelerar, ou até reverter vários aspectos do envelhecimento no organismo”, conta Cai.

O número de células-tronco no hipotálamo foram investigadas e foi notado que elas diminuíam quando os animais chegavam a 10 meses de idade antes de aparecer os sinais de envelhecimento e Cai explica que “Na velhice, que chega aos dois anos de idade nos camundongos, a maior parte dessas células já havia desaparecido”. O passo seguinte seria tentar descobrir se essa perda progressiva das células-tronco do hipotálamo eram destruídas seletivamente nos camundongos de meia idade. “Essa destruição acelerou enormemente o envelhecimento, em comparação com os camundongos com células-tronco normais. Os animais com as células-tronco destruídas também morreram antes do tempo normal”,disse Cai.

O passo seguinte era a reposição de células-tronco no hipotálamo para verificar se ela seria capaz de neutralizar o envelhecimento, fazendo com que houvesse a velhice reversível. A resposta seria obtida quando os cientistas injetaram células-tronco do hipotálamo no cérebro dos camundongos de meia idade, cujo elas haviam sido destruídas.

Em ambos os grupos, o tratamento desacelerou ou desfez diversos indicadores de envelhecimento. Eles descobriram que as células-tronco do hipotálamo pareciam exercer o efeito de antienvelhecimento com liberação das moléculas microDNAs. Essas moléculas não tem envolvimento na síntese de proteína, segundo Cai, porém tem um papel de regulação da expressão dos genes. Eles ficam embalados em partículas pequenas chamadas de exossomos, que são liberadas nos fluidos cérebro-espinhal das células-tronco dos camundongos.

O tratamento desacelerou de modo considerável o envelhecimento dos dois grupos de animais, de acordo com Cai. Foi medido o envelhecimento a partir de análise dos tecidos do organismo dos animais e através de testes comportamentais que tinham como envolvimento a avaliação de transformações de resistência muscular, comportamentais, de coordenação e a capacidade cognitiva.

O próximo passo para a desaceleração do envelhecimento é a identificação das populações de microDNAs específicas e outros fatores secretados pelas células-tronco que tem grande responsabilidade nos efeitos antienvelhecimento.

Veja também: Células-tronco: entenda como elas são usadas

 

This article was written by BeaC.