Contran aprova a criação da Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica

Você é daquele tipo de motorista que sempre esquece a carteira? Então saiba que seus problemas podem estar prestes a.

Resultado de imagem para Contran aprova a criação da Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica

Você é daquele tipo de motorista que sempre esquece a carteira? Então saiba que seus problemas podem estar prestes a acabar, graças a uma novidade aprovada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), no último dia 25 de julho – a criação da Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica (CNH-e).

A medida foi proposta pelo ministro das Cidades, Bruno Araújo – a ideia é que os motoristas tenham, além do documento impresso, também o arquivo virtual da CNH, por meio de um aplicativo para smartphones. O documento digital será identificado pela leitura do QRCode ou certificado digital.

Ainda que não seja substituta da versão impressa, a CNH Eletrônica terá o mesmo valor jurídico do documento em papel e estará disponível a partir de fevereiro de 2018 em todo o País. Em nota, Araújo destacou – “Estamos dando um passo à frente, desburocratizando o processo. Há um conjunto de padrões técnicos para suportar um sistema criptográfico que assegura a validade do documento. Com isso, quem esquece a CNH em casa, não estará sujeito a multa e pontos na carteira. Basta apresentar o documento digital”.

A intenção é possibilitar que os agentes de trânsito acessem o histórico do motorista por meio de um aplicativo (especial para os profissionais de trânsito), que ainda está passando por testes.

Quem desejar solicitar a CNH Eletrônica, precisará fazer um cadastro no Portal de Serviço do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), com um certificado digital e confirmar o seu e-mail. O cadastro deve ser feito através de um equipamento que permita esse tipo de certificação ou em um posto do Detran.

A ativação do cadastro será feita no momento em que o motorista receber um link no e-mail informado – será necessário fazer um login usando o aparelho celular em que a CNH será salva. Depois disso, o usuário deve ainda criar uma senha de segurança (PIN) para armazenar os dados sem riscos – essa senha será exigida todas as vezes em que o acesso ao documento for requerido. A CNH Eletrônica será exportada para o aparelho, após a autenticação pelo Denatran por meio da assinatura digital do Órgão. O sistema ainda permite o bloqueio do aplicativo caso o celular seja extraviado.

This article was written by BeaC.