Lei fiscalizará manutenção de ar condicionado que pode gerar prejuízos a saúde

O controle de sistema de ar condicionado de edifícios de uso público e coletivo será fiscalizado por lei, o que.

O controle de sistema de ar condicionado de edifícios de uso público e coletivo será fiscalizado por lei, o que inclui imóveis dos tipos produtivos, laboratórios e hospitais. A nova norma espera diminuir ou eliminar os riscos que o aparelho pode causar a saúde da população.

O ar condicionado pode ser um grande aliado na hora de se refrescar, porém se ele não for limpo da maneira correta pode causar bronquite, conjuntivite, rinite e outras diversas doenças alérgicas e respiratórias.

A nova lei atende as normas de qualidade regulamentados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), junto a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

São diversas doenças causadas pela manutenção inadequada deste aparelho que são comprovadas.

A lei estabelece que os proprietários, locadores e usuários responsáveis pelo sistema de climatização que já estão instalados, terão um prazo de seis meses a partir da regulamentação da lei para poderem cumprir todas as regras impostas.

A utilização do aparelho pode causar estragos significativos à saúde apesar de não notáveis. O maior problema da utilização do ar condicionado são os fungos, ácaros e as bactérias que ficam acumuladas nos ductos e se espalham pelo ar. O otorrinolaringologista Ricardo Landini Lutaif Dolci, explica que a limpeza do filtro é recomendada e extremamente importante devendo ser realizada com frequência conforme seu uso, tamanho do local e os poluentes daquela região.

Ricardo alerta que quando não é realizada a manutenção desses aparelhos da forma adequada, pode causar um ressecamento e irritabilidade das vias aéreas causando uma síndrome do edifício doente, onde as infecções respiratórias são espalhadas no ar e contaminam os colegas de trabalho.

O especialista também recomenda que uma corrente de ar natural seja deixada no ambiente, com portas e janelas abertas para que seja feita uma troca maior de ar entre o externo e o interno, e para que o ar contaminado não seja mantido no local.

Outra orientação do especialista quanto à utilização do ar condicionado é de não deixá-lo com temperaturas extremamente baixas que podem causar um choque térmico, podendo piorar a saúde das pessoas alérgicas e pessoas com maior disposição a essas variações de temperaturas.

Manter o ambiente umidificado e aumentar a ingestão de líquido também ajuda, porém se o ar condicionado estiver sujo essas medidas não ajudam a diminuir a propagação de infecções.

This article was written by BeaC.