Espécie extinta de tigre pode voltar na Ásia

Os tigres que eram originários da Ásia Central, e que desapareceram desde os anos 60, fazem parte dos planos de.

Os tigres que eram originários da Ásia Central, e que desapareceram desde os anos 60, fazem parte dos planos de pesquisadores, tendo como meta, resgatar essa espécie extinta. Um dos maiores felinos que habitaram o planeta, o tigre-do-cáspio (Panthera tigris virgata), originário do Irã, noroeste da China e da Turquia, foram extintos devido à caça e a perda do local onde viviam na natureza. Os cientistas vão usar, uma subespécie com uma genética muito parecida com a espécie que foi extinta do tigre, onde ele poderia se habituar a determinadas condições do ambiente, próprias para a procriação, nessas áreas onde o tigre-do-cáspio habitava. Pesquisas mostram que o tigre-siberiano (Panthera tigris altaica), que tem como seu habitat natural, as florestas geladas de bétulas, localizadas na região da Rússia, possuem características próximas as dos tigres extintos.

A extinção desses felinos começou na década de 1930, quando os países da também extinta União Soviética, prometeram recompensas para caçadores que fossem capazes de capturar ou matar, os tigres-do-cáspio com mais de cem quilos e com três metros de comprimento, devido ao fato de serem considerados uma ameaça, para as cidades que estavam em expansão nessa região. Os sistemas de agricultura e irrigação, também contribuíram para que essa área, onde esses felinos viviam, desaparecessem.
Imagem relacionada
Pesquisas foram feitas e apontaram, duas regiões com características excelentes para o novo habitat desses tigres, as duas no Cazaquistão. Foi levado em conta, o quanto é utilizado dessa área pelo homem. O melhor local, possui uma área de 7.000 quilômetros quadrados, na foz do rio Ili, que tem a sua nascente na China e termina no Cazaquistão. Animais que são caçados pelos tigres, como algumas raças de veados e javalis selvagens, vivem nessa área e podem alimentar cerca de cem tigres por até cinquenta anos.

Quando o tigre-do-cáspio desapareceu, a área onde eles habitavam era bem grande. Pesquisas foram realizadas e mostraram que, a quantidade de países que possuíam tigres no seu território, caiu mais da metade.

Os cientistas descobriram, analisando dados existentes, que essa raça de tigre viveu em áreas bem extensas, chegando a ter quase 900.000 quilômetros quadrados, em lugares perto de pequenos rios ou córregos. Cerca de dois ou três animais, ocupavam um território de aproximadamente 100 quilômetros quadrados de extensão.

Em quase 70 anos, a única subespécie de tigres que vem aumentando o seu número de animais existentes, é o tigre-siberiano. Pesquisadores acreditam que cerca de 540 animais, existam hoje na natureza. Eles têm planos para levar alguns desses animais, para locais próprios de reintegração, acredirando que isso seja suficiente, para resgatar a população de tigres em até cinquenta anos.

As comunidades locais e representantes do governo do Cazaquistão, são favoráveis a reintegração dos tigres-siberianos, devido ao fato de que, esses animais possam trazer um aumento no turismo selvagem, permitindo o crescimento do desenvolvimento econômico do país, além de novos empregos e pequenos negócios para a região.

This article was written by BeaC.