Marcio Alaor do BMG, noticia sobre o aumento nos preços dos produtos típicos da Páscoa

Nas últimas semanas, muitos consumidores se assustaram com os preços cobrados pelos ovos de Páscoa, que estão mais caros do.

Nas últimas semanas, muitos consumidores se assustaram com os preços cobrados pelos ovos de Páscoa, que estão mais caros do que o esperado. A razão para isso são os impostos elevados, que além de encarecerem os ovos de chocolate, também inflacionaram os preços de outros produtos característicos dessa época do ano, noticia Marcio Alaor, do Grupo BMG.

As cargas tributárias dos ovos de Páscoa nesse ano estão custando aproximadamente 41% do seu valor final, enquanto os impostos do vinho, bebida que possui um aumento nas vendas durante o feriado, representam mais de 58% do seu preço. Além do vinho e dos ovos de chocolate, outros itens muito vendidos como os coelhos de pelúcia e as caixas de bombom também se destacam pela sua alta carga de impostos, sendo de 37,25% e 36,89%, respectivamente.

Além dos ovos de chocolate e do vinho, outros alimentos muito consumidos pelos brasileiros durante a Semana Santa também estão com uma alta carga tributária. O azeite, por exemplo, tem 22,57% do seu preço oriundo exclusivamente de impostos, enquanto o bacalhau, a batata e vários tipos de peixes, estão com cerca de 18% do seu valor em impostos, informa Marcio Alaor, executivo do BMG.

Esses números foram divulgados pela BDO, que está entre as principais empresas do mundo em termos de consultoria tributária, contabilidade e auditoria, reporta o executivo do BMG, Marcio Alaor.

O economista sênior da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Fábio Bentes, declarou há algumas semanas, em entrevista para o Estadão, que a inflação dos itens característicos da época de Páscoa caiu nesse ano de 2017 em comparação aos anos anteriores, e poderia estar ainda mais reduzida caso não tivesse ocorrido esse aumento nos tributos.

Até o mês de maio de 2016, o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) cobrado pelo chocolate era entre R$ 0,09 e R$ 0,12 a cada quilo. Desde então, o imposto passou a ser cobrado em conjunto com uma nova tarifa fixa de 5% sobre o valor da venda do produto, noticia Marcio Alaor, executivo do Grupo BMG.

De acordo com o Procon de São Paulo, os consumidores precisam ficar atento às diferenças nos preços, pesos e na qualidade dos itens vendidos nessa Páscoa. Segundo uma pesquisa feita pela instituição durante as últimas semanas, é possível encontrar uma variação nos valores dos ovos de Páscoa de mais de 100% entre os diferentes estabelecimentos em que eles são vendidos. Um dos principais exemplos disso é o ovo de chocolate ao leite de 150g da marca Arcor, que foi encontrado em preços que variam entre R$ 15,97 e R$ 32,99.

Paralelamente, uma fiscalização feita pelo Instituto de Pesos e Medidas do Estado de São Paulo (Ipem-SP) descobriu que cerca de 16% dos produtos típicos da Páscoa possuem irregularidades. O problema encontrado com mais frequência foram erros nas informações sobre o peso presentes na embalagem e o peso verdadeiro dos produtos, reporta o executivo do BMG, Marcio Alaor. Nesses casos, os ovos de chocolate eram mais leves do que constava em suas embalagens.

This article was written by BeaC.