Milho no país tem alta capacidade de produção mas precisa de compradores

A produção de milho no Brasil está apresentando um avanço em grande escala e cada vez precisa de um trabalho.

Resultado de imagem para safra de milho

A produção de milho no Brasil está apresentando um avanço em grande escala e cada vez precisa de um trabalho que direcione os esforços desse setor para um maior alcance desse alimento. As expectativas são que a produção do milho permaneça crescendo, ainda que o país esteja se mantendo em um ritmo menos acelerado do que poderia.

Segundo Sérgio Bortolozzo, presidente executivo da Abramilho, o país poderia fornecer acima de 100 milhões de toneladas de milho, e a capacidade passaria sem dificuldades dos 120 milhões.

Para os profissionais que trabalham no setor, ainda faltam alguns aspectos que precisam melhorar, eles estão relacionados com a comunicação da cadeia produtiva, o que é importante para definir a posição das relações em uma organização formada por empresas, governo e produtores.

Atualmente uma das principais barreiras que existem para o setor é o desafio de fazê-lo chegar a um nível de comercialização que garanta um lucro para os produtores, e assim motivá-los a usar a capacidade máxima de produção que possuem.

Os grandes produtores ainda enfrentam problemas para vender o grão. O Estado de Mato Grosso teve uma produção de 28 milhões de toneladas na safra de 2016/2017, mas a cotação do produto caiu para um valor menor que o custo da própria produção.

Os preços podem variar muito dependendo da forma como é realizada a produção, no fim do mês passado, a saca possuía um valor de R$ 27,00 no Cepea/USP, no entanto, na região de Primavera Leste, uma saca estava por R$ 15,00. O custo investido na produção está maior que o valor da venda. Considerando os fatores como maior qualidade das sementes e fertilização, o custo permaneceu entre R$ 18,00 e R$ 32,00 por hectare.

Estão faltando compradores para o setor, é importante que exista um interesse imediato nesse sentido. Para buscar novos mercados, a união da Abramilho e da Aprosoja-MT realizou um evento para reunir embaixadores de 22 países. Entre eles, o México é um parceiro que pode abrir portas, o país possui um consumo de 38,6 milhões de toneladas por ano, mas tem uma produção de 26 milhões. Com as novas parcerias, as chances do crescimento das vendas darão maior consistência para a continuidade da produção em larga escala do milho.

 

This article was written by BeaC.