Nova espécie de molusco é encontrada nas Filipinas

Um novo animal é descoberto por cientistas em uma lagoa lamacenta nas Filipinas. A nova descoberta, revelou uma espécie de.

Um novo animal é descoberto por cientistas em uma lagoa lamacenta nas Filipinas. A nova descoberta, revelou uma espécie de verme gigante com mais de 1,5 metro de comprimento, e 5 centímetros de espessura. Essa descoberta surpreendente até parece história de filme, e se levar em conta o aspecto físico do animal, os cientistas diriam que ele foi tirado do filme Alien (1979).

O animal foi chamado de Kuphus polythalamia, e pertence diretamente a uma espécie de molusco bivalve. Segundo os cientistas, esse é o mais comprido já encontrado no mundo dessa mesma espécie. Os cientistas afirmaram que a concha do animal é estudada há bastante tempo, desde o século XVIII. No entanto, essa é a primeira vez em que o animal é encontrado vivo dentro do casulo.

Os pesquisadores revelaram que a dificuldade em encontrar o animal vivo está relacionado com a falta de informação sobre o animal e seu habitat. Os autores do estudo conseguiram identificar o animal através de um documentário realizado nas Filipinas, onde o animal aparece em seu habitat. Logo que os pesquisadores assistiram ao filme, eles partiram até o local e conseguiram capturar cinco deles para realizarem análises.

O pesquisador Marvin Altamia revelou: “Eu fiquei impressionado quando vi pela primeira vez a imensidão desse animal bizarro”. A pesquisadora Margo Haygood, também relatou sobre a descoberta: “Estar presente no primeiro encontro com um animal como esse é o mais perto que eu posso chegar de um naturalista do século XIX”.

Algumas características chamaram a atenção dos pesquisadores, dentre elas o tamanho do animal. No entanto, algumas análises revelaram algumas peculiaridades do molusco. Na análise, os cientistas identificaram que o animal não possui a mesma alimentação que uma outra espécie pertencente a sua família, a Teredo. Essa espécie tem como característica comer detritos de madeira, já no caso da espécie encontrada recentemente, são as bactérias que consomem para manter o animal vivo. Algo muito incomum dentre muitas espécies de animais encontradas.

Segundo os pesquisadores, o Kuphus polythalamia habita um ambiente rico em sulfeto de hidrogênio, o que torna um habitat altamente nocivo para os seres humanos. No caso das bactérias, elas adquirem energia através do sulfeto e o transforma em nutrientes. Outra característica é que o animal é envolto por uma casca, ou casulo, dessa forma a boca do animal fica totalmente selada impedindo que ele consuma qualquer tipo de alimento. Esse fato pode ter feito com que os órgãos digestivos do animal tenham atrofiado.

O pesquisador Distel revelou em um comunicado: “Também estamos interessados em ver se transições semelhantes podem ser encontradas em outros animais que vivem em habitats únicos em todo o mundo”. A pesquisadora Haygood relata que existem muitas espécies ainda a serem descobertas: “Pensamos que este planeta está sendo bem explorado, mas acho que ainda há muito espaço para a exploração.”

 

This article was written by BeaC.